terça-feira, 29 de janeiro de 2013

last night


eu peguei mais um copo de vodca com energético. não tenho certeza se era o terceiro ou o quarto da noite. bem, o quinto. eram umas 2h45. tocava uma música legal. uma música que eu não conhecia mas que eu realmente estava achando muito legal. ele estava na minha frente e, claro, a cantava com sofreguidão, do jeito mais lindo que alguém pode cantar uma canção.

e eu fechei os olhos. também não sei precisar por quanto tempo. é que eu jurei que não ia fazer isso naquela noite. eu não ia pensar naquela noite.  era uma noite em que eu estava bem. é que ele me faz bem. e o problema é que toda vez que ele me faz bem, eu quero que ele saiba. e toda vez que ele me faz sorrir. e toda vez que por causa dele eu choro. toda vez eu quero que ele saiba que tudo que eu sinto é pra ele. é por ele.

de olhos fechados, sem que eu pudesse notar e sofrer qualquer reação, eu queria que ele soubesse ali que ele me salvou. que eu não aguentava mais pensar na mesma pessoa. mas que ele veio.

mas a música legal acabou. e começou a tocar los hermanos. ele sorriu. eu não sabia se sorria, se cantava, se chorava. los hermanos faz isso, eu acho. eu cantei. só cantei. e, mais uma vez, guardei a vontade de que ele soubesse que 'meu melhor amigo, eu sinto uma falta absurda de você. eu tenho ciúmes de você. eu tô sem rumo e perdido em como lidar com tudo isso. que todo dia é um exercício de apertar coração pra ele diminuir e você não se assustar com o tamanho do que eu sinto. e que, caralho, é só por você que eu estou aqui nessa puta noite chata que só tocou uma música que eu gostei.'.

mas a noite continuou. e depois acabou. na metade do caminho pra casa eu fui me odiando e pensando em como sou um covarde. na outra metade? bem, na outra metade eu fui rindo de mim mesmo e dos meus mesmos exageros de sempre. no meu travesseiro eu ensaiei de novo mais uma possibilidade de diálogo com ele. aquele em que eu vou voltar em outubro de 2009 pra explicar que foi ali que ele mudou a forma como eu enxergaria a vida dali em diante. mas por enquanto... foi só mais um ensaio. o terceiro ou o quarto da noite. bem, o quinto.