quarta-feira, 25 de agosto de 2010

e a única verdade

teoricamente o dia termina cedo. teoricamente, também, não era pra ter tanta confusão, tanto cansaço e tanta vontade de passar horas deitado. a tentativa frustrada de tentar acabar com uma exaustão que não é física. não é só física. não é mental. não passa com horas de sono. na verdade, nem com as quatorze horas as quais me tenho proposto.

é o esgotamento que aumenta com a presença. que quase me mata com a ausência. é o cansaço de ter que ter notícias pra seguir. e de sofrer um bocado com cada uma delas.

e a única verdade é que esse é só mais um desabafo. porque não sei conviver com a certeza de que não vai passar. e não sei administrar a razão que me dá a outra certeza de que já passa. não é mais questão de escolha e nem o tal masoquismo. não é só pedir pra agosto acabar e levar junto, porque setembro traz de novo e traz pior.

sou tonto. fico tonto. e nessas horas sou mais clichê que qualquer frase de parachoque de caminhão.

desculpa, vai. é que eu não sei lidar com o que me faz mal e insiste em fazer bem. a verdade é que eu me canso. e que eu queria descansar.