terça-feira, 4 de novembro de 2008

Queria ser um Power Ranger

E dói, uma dor que eu não sabia que dava pra doer. E cada vez que paro de me remoer por alguns instantes, sinto que acabei de lutar contra os meus piores monstros. E pior, sem a minha fantasia de Power Ranger e, por isso, acabo machucado. E com mais dor. Aquela dor que vai da nuca até a unha do dedinho do pé, e que aparece sem que você tenha necessariamente que chutar a quina da cama ou bater a cabeça na parede.
Dói tanto que eu não tenho vergonha de falar que dói, até pro que faz doer. E exponho essa dor, mesmo sabendo de tanta dor mais que ela vai gerar, como cutucar a merda da vaca faz feder. Grito a dor mesmo sabendo que tem gente que ri do sofrimento alheio, e gente que se fortalece com a dor dos outros.
E eu percebo que dói mais porque eu experimentei a rara sensação de não-dor, e vi que foi por isso, e só por isso, que a vida faz sentido.Tem doído porque é dor de ser humano. Dor rodeada de más intenções camufladas, de ironias, de covardia. O tempo todo sinto estar preso em um quarto de brincadeiras de mau gosto, tentando encontrar a porta de saída, ao menos uma janela de fuga, vá lá. E quando eu penso que encontrei, os meus monstros voltam, riem da minha cara e me obrigam a arranjar uma força que eu não tenho para enfrentá-los novamente. Procuro minhas armas, mas onde penso que podia encontrar forças, não acho mais.
É uma dor minha, só minha. Que dói e faz sangrar em silêncio. Queria saber escrever sentimentos, queria entender o ser humano. Mas eu não sei. Não sei escrever, não sei entender, não sei ignorar, não sei não ligar, não sei sofrer e muito menos sei conviver com a dor. E morro de vergonha de admitir e demonstrar que pareço um bebê ainda aprendendo a andar, e que é obrigado a voltar a engatinhar.
E quando a dor chegasse, queria me transformar em Power Ranger. Me transformar e vestir uma máscara para poder ser mais filho da puta, mais canalha, mais ignorante e mandar o mundo se foder. Fantasiado eu poderia ser blasé, pensar em mim primeiro, machucar, ter coragem de magoar alguém de propósito e trair confiança depositada. Ia conseguir viver o momento sem me importar com o resto, trocar o "eu" por qualquer pessoa, sumir sem dar satisfação, enganar o mundo e cagar pra isso, porque afinal, eu vou estar feliz e ponto.
Como Power Ranger eu não ia fazer drama, ia comer nas horas certas, não ia precisar fingir o que eu quero e o que eu não quero jamais. Ia poder lutar contra os crimes. Meus próprios crimes. E quando eu cansasse de ser forte, eu tiraria a roupa e voltava a expôr minhas fraquezas, me fazer de morto, de bonzinho, de injustiçado. Aí ia sentir a dor de novo, até que ela quisesse sair pulando, rasgando o meu peito. Quando isso acontecesse, então era só "morfar" e ficar forte de novo.
Um Power Ranger não tem ciúme, não liga de ser evitado, de ser debochado e abandonado, de ter dívidas. Quando eu era pequeno nunca me deixavam ser o Ranger vermelho. Hoje eu quero ser qualquer um. Só pra poder lutar e crescer sem dor.

9 comentários:

Thiago disse...

Todos cometemos os nossos crimes. Talvez seja exatamente por isso, que todos querem alcançar a redenção, mesmo que seja por meio de caminhos tortuosos. A vida é uma luta diária e a vantagem de tudo é que amanhã realmente é um novo dia, em que nada está definido. E o mundo realmente da voltas. Um dia vc é o Monstro e no outro vc pode ter um Megazord

Renata disse...

Deeeeeooos! Como pode um texto remeter a outro desta maneira? Foi muito instantaneo, e nada tem haver com A Paixão, de Affonso Romano, tem?! Bom, pra mim tem! Ai que bonito seu texto! Você quer dar uma contribuição ao meu blog?! Faz um texto pra eu postar lá, faz? Um beijo!

Anônimo disse...

Acho que de alguma forma as pessoas pensam que ser canalha é uma virtude. Talvez por isso tanta gente se esforça pra ferir os outros.
Ainda que você não seja o herói que gostaria de ser, as pancadas que a vida lhe reserva vão ajudá-lo a aprimorar suas habilidades como vilão. E ai você aprende a ser mais ignorante, mais escroto e mais indiferente às atitudes dos outros.

leeeeeeeeh disse...

O melhor, sem duvidas! :/

Thais Goetz disse...

Mesmo contra, esse foi sem dúvida o texto mais você!

Jana disse...

Perfeito!

confissoesaesmo disse...

Sabe o que é importante?
É que vc pode ser quem vc quiser.
E mesmo que esteja doendo, uma hora passa. E vc vai acabar se perguntando pq doeu tanto.
Com ou sem a roupa de Ranger Vermelho, vc é um super herói.
Bjo, amigo

Lucas Alvares disse...

Você é quem você quer ser. Vermelho, azul, preto, amarelo e até rosa. Você é o que você precisa ser no tempo preciso das causas imprecisas. Continue um Power Ranger sem máscara.

Parabéns pelo texto;

Lucas

Thais Goetz disse...

Minha cabeça dói!