domingo, 2 de novembro de 2008

Ignorância emotiva

Coloca no som uma fita velha com Caetano Veloso cantando "La Barca". 
- Quer que eu abra um pouco a janela? Lá fora venta gelado, mas talvez você precise de um pouco de ar puro. Espere! Aguarde mais um pouco que já desamarro suas mãos. A comida já vem, pedi por telefone. Creio que acertei no pedido, é o que você mais gosta. Você me disse uma vez. Quer ver? Está anotado aqui, logo abaixo do que você mais detesta. Espera, essa é a lista do que faremos juntos a partir de hoje. Aqui está: alimentos preferidos. Hummm...olha só! Sente o Caetano!
Se você não gostar do tempero, eu posso modificar. Come. Pronto? Agora preciso amordaçar sua boca, tudo bem? Guarde os ouvidos para mim. Onde está seu celular? Coloca o meu nome no visor do seu celular? Vou apagar as luzes. As chaves do quarto escuro estão aqui, bem em cima da mesa. Mas é aqui que você vai ficar por um bom tempo. Em silêncio total e me esperando. 
Eu ouvi você falando "compromisso"? Posso chamar o advogado? O juiz de paz? O padre, rabino, pastor, pai-de-santo? Vou colocar as algemas antes que você mude de idéia.
Escuta, vou colocar Marisa Monte. Você tem esse cd? "O que me importa ver você tão triste. Se triste fui e você nem ligou". Adoro Marisa, ela diz tanta coisa que a gente queria dizer. Diva, não é assim que a chamam? Apesar de às vezes eu preferir a Duncan. A Zélia, sabe? Ei, por falar nisso, com quem foi que você esteve ontem?
Não me olhe com essa cara. Eu não vou te matar. É claro, eu estou sentindo a morte. Essa vontade de morte é o único sinal de que ainda existe vida em mim, que me tira dessa apatia insistente, constante e quase fatal. Não preocupa! Eu, enquanto eu, sou demasiadamente covarde para me matar assim, pra sempre. E sou mais covarde ainda para te matar assim, definitivamente. 
Vamos jogar cartas. Tome! Blefe! Você sempre blefando, sempre blefando. Eu sou muito mais eu. Eu não blefo. Eu não grito. Eu não erro. Eu não peco. Eu...Ei, estou sendo uma pessoa má, não? Então de que e por que ainda ri? 
Do seu medo, da sua insegurança. Já te falaram que você possui uma enorme ignorância emotiva?  

3 comentários:

Anônimo disse...

Ignorância emotiva...é quando o amor se olha no espelho e já não sabe mais o que é. Acho que é isso.

confissoesaesmo disse...

Confessa q se inspirou com a história da Eloá.
Mas, como sempre, ficou excelente o texto.
Saudade de vc, moço.
Abraço

confissoesaesmo disse...

Eu quero atualização!
REvolta!
O que quer q seja, rs...