terça-feira, 23 de setembro de 2008

Pra mim, é você

Ainda não sei se você veio junto com a chuva ou se foi um presente que o inverno me deu na hora de ir embora. Eu, que sempre quis manter os pés no chão, decidi arriscar. Fiz bem. Me sinto completo, cheio de um sentimento tão grande, que às vezes parece não caber dentro de mim.  E agora, eu não posso mais esconder, que tudo que eu ainda um dia penso em buscar em alguém, em você eu já encontro. 
E mesmo que tudo seja tão rápido, eu ainda te sinto comigo. Ainda sinto o equilíbrio que você me traz cada vez que chega perto de mim.
Você chegou bem a tempo, na hora certa. Saiu dos meus sonhos, onde eu te via todas as noites. Não me peça pra explicar, eu também não sei. Ainda bate um medo de escrever demais, parecer precipitado e você se assustar. Basta que eu diga: Fica um pouco mais. Tudo é muito mais gostoso quando a gente pode sentir juntos a sensação de ser sol e chuva. 

sábado, 13 de setembro de 2008

Ausência

Queria muito poder justificar a ausência de duas (?) semanas aqui no blog, mas não tem desculpa. Não foi falta de tempo, não vou colocar a culpa de novo na falta de criatividade e muito menos dizer que problemas pessoais me impediram de postar. Nada disso. Na verdade eu tava até ensaiando vir aqui dizer que na semana que vem o Fale com Ele completa um ano e no aniversário o blog viria cheio de novidades. O que seria mais uma mentira, claro. Quando eu digo que minha vida é uma farsa, quase ninguém acredita, porque acha é mais uma mentira. Mas era pra acreditar, entende? 
Não que eu ache que alguém realmente esteja interessado na minha vida, mas ali do lado direito, no Twitter, a movimentação foi intensa nesses dias de ausência do blog. Acho que tão intenso que eu abstraí da minha vida essa coisa de escrever livremente e fui me habituando a limitar meus pensamentos a apenas 140 caracteres, o que é extremamente desafiador. Cheguei a passar vários minutos reformulando frases para que coubesse no quadradinho de postar. Sabe que isso devia até ser método de ensino para professores da disciplina de Rádio, que adoram falar que as frases neste veículo têm que ser curtas. 
Journalism
Por falar em jornalismo. Hahaha, dia desses fiquei com vergonha de falar pra uma professora que eu adorava "jornalismo de celebridades", e acabei soltando que meu sonho desde criança é trabalhar com jornalismo policial. Lembrando que fiquei um ano da minha vida fazendo reportagens de crime e tráfico de drogas. E claro, não foi um sonho. 
Eu minto de maneira tão convincente que a mulher já disse que realmente eu tenho um perfil desbravador e vai me indicar vários amigos delas que trabalham com investigação jornalística. Tá bom. O que ela não entende é que o que eu quero investigar é só quais foram as músicas que tocaram no casamento da Sandy. 
Atualizando
De agosto pra cá, eu me apaixonei! Sério! O que não acontecia desde janeiro, brotou. Para não fugir da regra, o broto murchou. Desapaixonei. Assim como eu tive certeza de que tenho inveja de qualquer pessoa que tenha mais dinheiro que eu, agora sei que o grande problema dos meus não-relacionamentos sou eu. Quando a gente cria essa percepção, fica tão mais fácil entender porque as pessoas não retribuem os sentimentos da mesma forma. As pessoas não entendem que eu trato muito mal quem eu gosto. Sempre foi assim. É mania. 
Manias
Claro, além de ignorar os amores da minha vida eu descobri que as pessoas estranham minhas outras manias. Nos últimos dias fui praticamente crucificado por manter contato com discípulas de INRI Cristo. Me pregaram na cruz (tô adorando esse jogo de palavras...Cristo, cruz...sacou?) só porque eu estou começando a acreditar nele. Gente...é tudo tão verossímil. O homem não se contradiz! E as discípulas são ótimas. Conto as horas todo dia pra chegar em casa e conversar no MSN com Assinoê. 
Fui massacrado também por pessoas que ficaram sabendo que eu coloco o celular para despertar diariamente às 2h da madrugada. A galera não entende o prazer momentâneo que é acordar naquele desespero e se sentir completamente anestesiado ao olhar o relógio e perceber que ainda faltam pelo menos quatro longas e saciantes horas de sono 
Daqui pra frente
Nada vai ser diferente. Vou postar com mais frequência, textos menores, e mais verídicos. Isso foi uma promessa? Complicado cumprir promessas. Mas não me abandona. Aliás, ainda tem alguém aí? 

Até sempre!