domingo, 21 de dezembro de 2008

99% ou 101% - Uma conversa

"É preciso ter tristeza. Tristeza não é ruim. Quase todo mundo só quer escutar musiquinhas alegres, ir dançar em lugares barulhentos, ficar falando o tempo inteiro. Porque eles têm medo da tristeza. Mas não é a tristeza que mata." 
(Fernanda Young - 'A sombra das vossas asas')

Cheguei aos 21, nem firme, nem forte. Mas cheguei. Me formei na faculdade, nem firme, nem forte. Mas me formei. Fora isso, ainda estou na eterna dúvida se torço para Darwin ou Lamarck. Porém, pensando um pouco mais, ainda acho que fico com o segundo. Sabe, tendo sempre a ficar ao lado dos injustiçados - e, hipoteticamente falando, claro, com aqueles que tem as idéias mais divertidas.
São dezessete horas, escrevi um textinho melancólico sobre o fim da primavera (publicado logo abaixo) e...calma, que estou buscando algumas respostas em cantos vazios que já foram vasculhados e vasculhados. Aham, continuo com aquela tendência (ou mania?) chata de procurar o que procurar. Minha avó diria que estou caçando sarna para me coçar. Aliás, interessante essa coisa de colocar ditados e frases batidas na boca das avós. É uma daquelas situações que se encaixa nas categorias de 'verdades absolutas' e 'mentiras acreditáveis'. Pelo que conheço minha avó, ela não diria algo sobre "sarna para se coçar". Mas fica tão mais crível dizer que a frase sai da boca dela e ninguém duvidaria que ela realmente diz isso. 
Sobre o texto da primavera. Não vou ser drasticamente romântico de dizer que sinto um descarrego, um gozo interno, quando escrevo sobre meus sentimentos. Que nada. Não alivia, não relaxa, não me deixa feliz. Muito menos faço para emocionar alguém. Que os que como eu, tem no DNA o gene do sofrimento por amar, se danem. Por isso, para 2009 um dos meus objetivos é saber porque eu ainda continuo escrevendo sobre eles.
No computador, um vídeozinho impróprio para menores de dezoito anos está pausado esperando que eu termine de escrever esse texto. Falar isso aqui não tem problema, tem? Se tiver, elejam mais algumas outras contravensões e me comuniquem. Assim como me comunicaram que era um absurdo eu querer que a Susana Vieira sambasse e mijasse em cima do túmulo do ex-marido dela. 
Me perguntaram enquanto escrevo este post se estou 100%. Quer saber? Acho que estou 99%. Ou melhor, 101%. Gosto do exagerado, mesmo que eu não seja um. 

Transição

E eu que não dava a mínima para as mudanças de estação, me despeço hoje de você, primavera, com um último abraço. Ah donzela! Vais deixar saudade e os contornos de uma tristeza perseverante. Sei que ainda arruma suas malas. No entanto, já comecei a preparar a tua despedida na noite em que chegou. Ensaiei as palavras e agora, na hora da partida, verbalizo tudo aquilo que rascunhei na minha própria mão esquerda.
Olha lá, o verão já vem. Abre de novo tua mala cheia de flores. É que preparei uma lembrança, nada demais. Leva contigo meu sorriso, mas deixa comigo a capacidade de sentir primavera todo dia. Deixa a razão, deixa a paixão e me deixa viver cheio de razão e paixão. Se couber, leva a culpa de ser feliz.
Obrigado por ter vindo; sei que se tudo der certo você volta na próxima temporada. É que eu não sei se vou ter tempo de te receber da próxima vez. Sabe, vou me ocupar em ainda te esquecer. Mas acene, não deixe de acenar mais uma vez. Vai ser sempre bom lembrar de como você, primavera, me fez um dia sentir todas as estações juntas dentro de mim.  Vá pela e leve a sombra.

segunda-feira, 15 de dezembro de 2008

A última

Mais um copo de café quase frio. Mais um cigarro inacabado, o último. Companheiros amargos para essas noites com horas que têm gosto mais forte que absinto. Ah, todo fim de noite é a mesma coisa. Pela janela, a lua que já foi minha amiga joga esses raios claros na minha cara, mostrando que ela ainda brilha. Enquanto eu? Eu que já fui seu admirador enamorado, confidente fiel, amigo irresponsável, perdi o tesão de tentar brilhar. Lua, fica sozinha nesse céu.
Como é que esse relógio não anda? Eu disfarço o meu próprio tempo.  Hoje foram três pautas, cinco copos de café pela metade, doze Ice Kiss pretas e duas de melancia, três rascunhos de bilhetes pela metade, cinco desenhos na última folha do caderno, quatro respostas mal dadas, uma fome que mais parecia uma dízima periódica e uma paixão que é o mal que mais me assola.
Já confundi essa segunda com aquela sexta e agora eu ouço grupo do bar tocar a minha favorita. Amigo garçom, não precisa trazer a próxima, a última. Já me vou. Já devia ter ido há tempos. Ah meu amigo garçom, eu perdi a minha identidade. Não aquela de papel. A que eu perdi não adianta procurar, nem tirar segunda via. Nem São Longuinho resolve. Amigo garçom, eu vou embora porque meu tempo avisou. É como aquele poeta já disse, meu amigo... "Não que eu estivesse triste, só não sentia mais nada".

quinta-feira, 4 de dezembro de 2008

Os buracos do meu queijo

Como é mesmo aquela história do queijo? Quanto mais queijo, mais buracos. Quanto mais buracos, menos queijo. Então, quanto mais queijo, menos queijo. É esse o paralelo que queria fazer: o da minha falta de queijo. Ou do excesso de buracos vazios. Culpo os tais alísios de fim do ano. Os mesmos que trazem o clima de Natal que até o ano passado eu celebrava. Mas é que os tais alísios trazem à tona também as fraquezas, os medos e as angústias responsáveis pelos nós da garganta, mais atados que os de marinheiro. Cada um desses conflitos internos tem um vazio próprio que cresce de forma assustadora quando a gente se remói, o que acaba deixando as ruas lotadas de buracos-negros ambulantes. Um bando de nadas. 
O tempo que fiquei afastado do Fale com Ele serviu para me fechar na caverna de Platão. Sem hipocrisia, joguei na minha própria cara todos os meus maiores podres. Tudo, é claro, impulsionado pelo fim de uma paixão desesperada. Um daqueles pontapés iniciais que a gente precisa dar, ou levar na bunda, para repensar atitudes ou a falta delas. Claro, sem a viagem de achar que eu parei minha vida pra isso. Tudo aconteceu ao mesmo tempo em que a faculdade terminava e, junto com o trabalho, consumia meus últimos gritos de força. 
Pelas sombras deu pra enxergar e entender tanta coisa, tanta gente. Pessoas autodestrutivas e outras que simplesmente querem ser felizes, mesmo que tenham que passar por cima de si próprias para isso. É a tal construção do ideal de felicidade. Se acha que só vai ser feliz assim, eu fico da minha caverna olhando. Quando que alguém pode tentar condenar alguma busca pela tal felicidade? 
Quando dá tempo, eu dou risada de mim mesmo. Enjôo de mim. Me bato e tento entender como algo pôde mexer tanto. Mas eu só queria voltar a escrever aqui quando tudo, tudo tivesse passado. Não passou tudo. Acho que nunca meu ascendente em Peixes esteve tão aflorado. É sentimento descendo com suor e lágrima. Para quem acreditar no tal do inferno astral, estou no ápice, no cume. À beira dos 21, eu sigo os zilhões de conselhos que me dizem para aprender com tropeções. Mas só encontro uns solavancos pelo caminho que abrem mais fendas no queijo, aumentam o vazio. Ainda assim, por enquanto, suspendam as flores brancas do velório.

segunda-feira, 10 de novembro de 2008

Arde

E as congratulações e as felicitações e as exaltações e também as exclamações. Nada fazia sentido ali. E a música, o telão, o troféu, as danças. Nada combinava. Onde estava o ritmo tranquilo que tinha ouvido à tarde? E repetia cada passo na cabeça, porque gostava da dorzinha boa e do frio na barriga, de sentir saudade daquilo que ainda considerava seu. E lembrava cada cheiro, cada gesto, cada toque.
Vinha a lágrima enquanto todos riam. Disfarçava o choro, virava o rosto e olhava para a churrasqueira. Aquele fogo parecia mágico e fazia tudo parecer mágica. Vinham as palavras de tudo bem, meu bem, tudo vai ficar bem.
Foi embora sem que ninguém visse, sem ser notado, saiu anônimo e preferiu assim. Dali foi repetir os passos de verdade. E assistia, de olho aberto, sem fechar, os momentos que viveu naqueles dias. Os cenários eram os mesmos, os atores é que não estavam. E mesmo com o teatro vazio, o perfume estava ali.
E com cem passos apressados, quis fugir de algo que estava queimando. Corria, mas o fogo não cessava, o perfume não saía. Aprendeu a conviver com o incômodo e o cheiro. Percebeu então, que a dor não precisava mais ficar ali. Só devia permanecer o sentimento que parecia brasa, ardia como o fogo, aquele da churrasqueira. Mágico tal qual.
Desistiu de tentar entender qualquer coisa que fosse. Percebeu que é o ser humano, e ser humano é difícil, que ser humano dói. Não queria mais explicação, não queria pedido de perdão. Abriu sua janela à espera de um aceno de adeus que não chegou, do tchau eminente que ainda não tinha sido dito, do 'até logo' ausente que ainda não tinha ouvido. E com cada momento ainda vivo e respirando dentro de si, seguiu andando, sem encontrar o próprio passo, até onde a noite permitiu.

terça-feira, 4 de novembro de 2008

Queria ser um Power Ranger

E dói, uma dor que eu não sabia que dava pra doer. E cada vez que paro de me remoer por alguns instantes, sinto que acabei de lutar contra os meus piores monstros. E pior, sem a minha fantasia de Power Ranger e, por isso, acabo machucado. E com mais dor. Aquela dor que vai da nuca até a unha do dedinho do pé, e que aparece sem que você tenha necessariamente que chutar a quina da cama ou bater a cabeça na parede.
Dói tanto que eu não tenho vergonha de falar que dói, até pro que faz doer. E exponho essa dor, mesmo sabendo de tanta dor mais que ela vai gerar, como cutucar a merda da vaca faz feder. Grito a dor mesmo sabendo que tem gente que ri do sofrimento alheio, e gente que se fortalece com a dor dos outros.
E eu percebo que dói mais porque eu experimentei a rara sensação de não-dor, e vi que foi por isso, e só por isso, que a vida faz sentido.Tem doído porque é dor de ser humano. Dor rodeada de más intenções camufladas, de ironias, de covardia. O tempo todo sinto estar preso em um quarto de brincadeiras de mau gosto, tentando encontrar a porta de saída, ao menos uma janela de fuga, vá lá. E quando eu penso que encontrei, os meus monstros voltam, riem da minha cara e me obrigam a arranjar uma força que eu não tenho para enfrentá-los novamente. Procuro minhas armas, mas onde penso que podia encontrar forças, não acho mais.
É uma dor minha, só minha. Que dói e faz sangrar em silêncio. Queria saber escrever sentimentos, queria entender o ser humano. Mas eu não sei. Não sei escrever, não sei entender, não sei ignorar, não sei não ligar, não sei sofrer e muito menos sei conviver com a dor. E morro de vergonha de admitir e demonstrar que pareço um bebê ainda aprendendo a andar, e que é obrigado a voltar a engatinhar.
E quando a dor chegasse, queria me transformar em Power Ranger. Me transformar e vestir uma máscara para poder ser mais filho da puta, mais canalha, mais ignorante e mandar o mundo se foder. Fantasiado eu poderia ser blasé, pensar em mim primeiro, machucar, ter coragem de magoar alguém de propósito e trair confiança depositada. Ia conseguir viver o momento sem me importar com o resto, trocar o "eu" por qualquer pessoa, sumir sem dar satisfação, enganar o mundo e cagar pra isso, porque afinal, eu vou estar feliz e ponto.
Como Power Ranger eu não ia fazer drama, ia comer nas horas certas, não ia precisar fingir o que eu quero e o que eu não quero jamais. Ia poder lutar contra os crimes. Meus próprios crimes. E quando eu cansasse de ser forte, eu tiraria a roupa e voltava a expôr minhas fraquezas, me fazer de morto, de bonzinho, de injustiçado. Aí ia sentir a dor de novo, até que ela quisesse sair pulando, rasgando o meu peito. Quando isso acontecesse, então era só "morfar" e ficar forte de novo.
Um Power Ranger não tem ciúme, não liga de ser evitado, de ser debochado e abandonado, de ter dívidas. Quando eu era pequeno nunca me deixavam ser o Ranger vermelho. Hoje eu quero ser qualquer um. Só pra poder lutar e crescer sem dor.

domingo, 2 de novembro de 2008

Ignorância emotiva

Coloca no som uma fita velha com Caetano Veloso cantando "La Barca". 
- Quer que eu abra um pouco a janela? Lá fora venta gelado, mas talvez você precise de um pouco de ar puro. Espere! Aguarde mais um pouco que já desamarro suas mãos. A comida já vem, pedi por telefone. Creio que acertei no pedido, é o que você mais gosta. Você me disse uma vez. Quer ver? Está anotado aqui, logo abaixo do que você mais detesta. Espera, essa é a lista do que faremos juntos a partir de hoje. Aqui está: alimentos preferidos. Hummm...olha só! Sente o Caetano!
Se você não gostar do tempero, eu posso modificar. Come. Pronto? Agora preciso amordaçar sua boca, tudo bem? Guarde os ouvidos para mim. Onde está seu celular? Coloca o meu nome no visor do seu celular? Vou apagar as luzes. As chaves do quarto escuro estão aqui, bem em cima da mesa. Mas é aqui que você vai ficar por um bom tempo. Em silêncio total e me esperando. 
Eu ouvi você falando "compromisso"? Posso chamar o advogado? O juiz de paz? O padre, rabino, pastor, pai-de-santo? Vou colocar as algemas antes que você mude de idéia.
Escuta, vou colocar Marisa Monte. Você tem esse cd? "O que me importa ver você tão triste. Se triste fui e você nem ligou". Adoro Marisa, ela diz tanta coisa que a gente queria dizer. Diva, não é assim que a chamam? Apesar de às vezes eu preferir a Duncan. A Zélia, sabe? Ei, por falar nisso, com quem foi que você esteve ontem?
Não me olhe com essa cara. Eu não vou te matar. É claro, eu estou sentindo a morte. Essa vontade de morte é o único sinal de que ainda existe vida em mim, que me tira dessa apatia insistente, constante e quase fatal. Não preocupa! Eu, enquanto eu, sou demasiadamente covarde para me matar assim, pra sempre. E sou mais covarde ainda para te matar assim, definitivamente. 
Vamos jogar cartas. Tome! Blefe! Você sempre blefando, sempre blefando. Eu sou muito mais eu. Eu não blefo. Eu não grito. Eu não erro. Eu não peco. Eu...Ei, estou sendo uma pessoa má, não? Então de que e por que ainda ri? 
Do seu medo, da sua insegurança. Já te falaram que você possui uma enorme ignorância emotiva?  

sábado, 25 de outubro de 2008

Ali Jaz

- Boa tarde gente, boa tarde! Dona Denise, como vai? E a família? Seu Tião! Teve festa aqui hoje?  Deixa eu ir ali correndo falar com o Euclides que eu tô atrasadíssima. 

Desculpa a demora, hoje quase que não deu pra vir. Teve a apresentação de balé da Isadora na escola...você tinha que ter visto. Um primor! Depois levei as crianças pra comer pizza e comemorar. Elas mereciam, estão sendo uns amores. Só depois que as deixei em casa e passei na padaria pra comprar um maço de cigarros é que eu pude vir para cá. É, voltei a fumar. Tem sido tudo muito difícil, e você sabe, o cigarro... Eu sei que você odeia, não precisa falar nada. Não, as crianças ainda não viram. Eu vou tentar parar, é só este maço, e juro... Aí acabo. Você se importa? Vou acender um. 
Hum...(solta a fumaça...) Vou sentar. Pelo visto alguém anda limpando aqui direitinho. Com quem mais você anda se encontrando? Reparou que meu cabelo mudou? É a mesma tinta da Malu Mader. As pessoas tão falando que eu fiquei mais nova. Acho que fiquei com um tom de mulher executiva, concorda? 
Hum...(solta a fumaça...) Trouxe essas flores hoje para enfeitar, mas acho que da próxima vez não terei dinheiro. Sabe como é, a crise da bolsa americana atingiu as flores. Vou arranjar uma nova forma de decoração, algo reciclável, feito em casa. Que achas? 
Hum...(solta a fumaça...) Desculpa, foi no seu rosto? Essa semana tem doído fundo a sua falta. Parece que espetaram meu coração como se fosse uma picanha e colocaram para queimar. Gostou da comparação? Ah Euclides! (dá uma bolsada)...você não precisava ter ido desse jeito. Não achei digno. Eu sempre estive do seu lado, oras. Oito anos não são oito dias. Juntos seria muito mais fácil acabar com aquela palhaçada toda. Mas não, você quis lutar sozinho. Herói dos filhos, né? Hahaha...Mas a Graça, da mercearia, já tinha me dito uma vez: as pessoas são mutáveis, estranhas, às vezes canalhas, às vezes problemáticas... 
Hum...(solta a fumaça...). Hum...(solta a fumaça...). Já vai dar seis horas. Toma essas flores. Minha rotina de trabalho começa agora, né. Se não aparecerem sete clientes essa noite, não vai dar pra pagar o patins novo do Euclides Júnior. Que tá enorme, você precisa ver. 
Oh, tão fechando o cemitério. Não tem vela para acender hoje. Ou eram velas, ou flores. Vou pegar uma aqui da Quitéria, ela não vai se importar. Tchau querido, amanhã eu volto. Ah, vou ver se dá pra fazer o bolo de cenoura. Acho que tem cenoura lá em casa. 

sábado, 18 de outubro de 2008

Confesso

Faltam quinze minutos para a cerimônia começar. REBECA entra na igreja com uma sacola com dezoito revistas. Nas mãos, um véu de renda negra com o qual ela cobre os cabelos. Olha para todos os lados, rouba uma rosa murcha que estava aos pés de uma santa e coloca no decote entre os seios. Enfia a mão no recipiente de água benta e joga o líquido por debaixo da saia longa de brim. Um arrepio percorre todo o seu corpo. Pára em frente ao confessionário e bate na janelinha. 
PADRE: Boa tarde, minha filha. 
REBECA: Cê viu ontem Padre?? 
PADRE: Cof cof...ehr...
REBECA: Tá vazio, pode falar! 
PADRE: Fiquei com vontade de esmurrar a cara da Flora! 
REBECA: Também achei um absurdo, Padre. 
PADRE: Pilantra demais, né? 
REBECA tira um spray de propólis da bolsa, e dá três borrifadas na boca. 
REBECA: Leila Lopes posou nua; Ângela Bismarchi virou cantora e posou nua; Carol Miranda virou cantora, posou nua, fez filme pornô e continuou virgem...
PADRE: Aham...tô sabendo, pode continuar.
REBECA: Viviane Araújo vai mudar pro Oriente Médio com o namorado; Thammy Gretchen tá procurando uma namorada; Netinho de Paula foi eleito vereador em São Paulo... 
PADRE: E o namoro da Miss com o carinha do KLB? 
REBECA: Hum, peraí...Tão juntos ainda. Diz que a Luana Piovani tá grávida do Dado. Ela nega. 
PADRE: Safada demais. 
REBECA: Num é? 
REBECA olha o relógio e fica agoniada. 
REBECA: Está quase na hora! 
PADRE: Então apresse-se! 
REBECA vai passando, uma a uma, cada revista por debaixo da casinha do confessionário. 
REBECA: Sexy Men nº32. Gostosos & Sarados, essa é boa padre. Lolitos da Romênia. E finalmente, Pedreiros Sarados. Tá tudo aqui. Só não achei a tal de Cachorros Quentes. O cara da banca me ofereceu uma revista de culinária e uma de animais de estimação com este nome, mas acho que não eram essas, né?  
PADRE: Ótimo, minha filha. Agora melhor você ir. 
REBECA: Tem certeza que são necessárias mais duas semanas? 
PADRE: É pela purificação. 
REBECA: Está bem.  
PADRE: Vá em paz. 
REBECA sai da igreja. Uma mão coloca uma plaquinha de AUSENTE no confessionário e fecha a janela. Faltam 8 minutos para o início da cerimônia. 

terça-feira, 23 de setembro de 2008

Pra mim, é você

Ainda não sei se você veio junto com a chuva ou se foi um presente que o inverno me deu na hora de ir embora. Eu, que sempre quis manter os pés no chão, decidi arriscar. Fiz bem. Me sinto completo, cheio de um sentimento tão grande, que às vezes parece não caber dentro de mim.  E agora, eu não posso mais esconder, que tudo que eu ainda um dia penso em buscar em alguém, em você eu já encontro. 
E mesmo que tudo seja tão rápido, eu ainda te sinto comigo. Ainda sinto o equilíbrio que você me traz cada vez que chega perto de mim.
Você chegou bem a tempo, na hora certa. Saiu dos meus sonhos, onde eu te via todas as noites. Não me peça pra explicar, eu também não sei. Ainda bate um medo de escrever demais, parecer precipitado e você se assustar. Basta que eu diga: Fica um pouco mais. Tudo é muito mais gostoso quando a gente pode sentir juntos a sensação de ser sol e chuva. 

sábado, 13 de setembro de 2008

Ausência

Queria muito poder justificar a ausência de duas (?) semanas aqui no blog, mas não tem desculpa. Não foi falta de tempo, não vou colocar a culpa de novo na falta de criatividade e muito menos dizer que problemas pessoais me impediram de postar. Nada disso. Na verdade eu tava até ensaiando vir aqui dizer que na semana que vem o Fale com Ele completa um ano e no aniversário o blog viria cheio de novidades. O que seria mais uma mentira, claro. Quando eu digo que minha vida é uma farsa, quase ninguém acredita, porque acha é mais uma mentira. Mas era pra acreditar, entende? 
Não que eu ache que alguém realmente esteja interessado na minha vida, mas ali do lado direito, no Twitter, a movimentação foi intensa nesses dias de ausência do blog. Acho que tão intenso que eu abstraí da minha vida essa coisa de escrever livremente e fui me habituando a limitar meus pensamentos a apenas 140 caracteres, o que é extremamente desafiador. Cheguei a passar vários minutos reformulando frases para que coubesse no quadradinho de postar. Sabe que isso devia até ser método de ensino para professores da disciplina de Rádio, que adoram falar que as frases neste veículo têm que ser curtas. 
Journalism
Por falar em jornalismo. Hahaha, dia desses fiquei com vergonha de falar pra uma professora que eu adorava "jornalismo de celebridades", e acabei soltando que meu sonho desde criança é trabalhar com jornalismo policial. Lembrando que fiquei um ano da minha vida fazendo reportagens de crime e tráfico de drogas. E claro, não foi um sonho. 
Eu minto de maneira tão convincente que a mulher já disse que realmente eu tenho um perfil desbravador e vai me indicar vários amigos delas que trabalham com investigação jornalística. Tá bom. O que ela não entende é que o que eu quero investigar é só quais foram as músicas que tocaram no casamento da Sandy. 
Atualizando
De agosto pra cá, eu me apaixonei! Sério! O que não acontecia desde janeiro, brotou. Para não fugir da regra, o broto murchou. Desapaixonei. Assim como eu tive certeza de que tenho inveja de qualquer pessoa que tenha mais dinheiro que eu, agora sei que o grande problema dos meus não-relacionamentos sou eu. Quando a gente cria essa percepção, fica tão mais fácil entender porque as pessoas não retribuem os sentimentos da mesma forma. As pessoas não entendem que eu trato muito mal quem eu gosto. Sempre foi assim. É mania. 
Manias
Claro, além de ignorar os amores da minha vida eu descobri que as pessoas estranham minhas outras manias. Nos últimos dias fui praticamente crucificado por manter contato com discípulas de INRI Cristo. Me pregaram na cruz (tô adorando esse jogo de palavras...Cristo, cruz...sacou?) só porque eu estou começando a acreditar nele. Gente...é tudo tão verossímil. O homem não se contradiz! E as discípulas são ótimas. Conto as horas todo dia pra chegar em casa e conversar no MSN com Assinoê. 
Fui massacrado também por pessoas que ficaram sabendo que eu coloco o celular para despertar diariamente às 2h da madrugada. A galera não entende o prazer momentâneo que é acordar naquele desespero e se sentir completamente anestesiado ao olhar o relógio e perceber que ainda faltam pelo menos quatro longas e saciantes horas de sono 
Daqui pra frente
Nada vai ser diferente. Vou postar com mais frequência, textos menores, e mais verídicos. Isso foi uma promessa? Complicado cumprir promessas. Mas não me abandona. Aliás, ainda tem alguém aí? 

Até sempre!

terça-feira, 26 de agosto de 2008

Ônibus: fugindo do engarrafamento

E têm sido assim minhas últimas semanas. De um dia pro outro se infiltrou em mim uma repulsa enorme, um asco, uma fobia, de ficar dentro de um ônibus por mais de trinta minutos. É uma coisa tão injusta eu ter que perder horas preciosas do meu dia na volta pra casa depois do trabalho, um percurso que, sei lá, poderia ser feito normalmente em 25 minutos.
Nessas situações o ônibus, mesmo que esteja vazio, fica pequeno demais pra mim. Por pouco, muito pouco, não me torno mais um daqueles barraqueiros desagradáveis que começam a gritar pro motorista acelerar "porque eu tô afim de chegar em casa". Pior ainda, por um triz não puxo conversa com a pessoa do lado para comentar sobre o caótico trânsito. E você sabe, essa é uma das cinco piores coisas que pode acontecer com pega ônibus. As outras quatro?
- Ter alguém comendo alguma coisa, qualquer coisa, ao seu lado;
- Um ônibus vazio, com vários lugares vagos, e alguma senhora resolver sentar justo ao seu lado;
- Alguém te empurrar desesperadamente para pegar um banco vazio;
- Você acabar cochilando e acordar no susto batendo a cabeça no encosto/barra do banco ou na janela, e ainda por cima babando. A sensação de que todo mundo viu isso acontecendo é indescritível;
(Prefiro não comentar situações envolvendo gente fedorenta, vômitos e outras secreções)
Enfim, com tanta raiva do trânsito, tenho adiado ao máximo a minha volta para casa todos os dias. São muitos minutos, talvez horas, de caminhadas, incríveis momentos relaxantes em bancos de praça, visitas à igrejas de várias religiões (abraço pro pessoal da 39ª Triângular do Evangelho do Hemisfério Norte, valeu pela força! Pastor Edmilson, o dinheiro vai essa semana!) e surpreendentes cachorros-quentes de rua.
Tem ainda a amizade com a senhora que vende artesanato naquela rua paralela que eu descobri semana passada, uma simpatia. Me deu um cordãozinho com um pingente de madeira talhada. Achei um gesto super simpático dela. Legal, né? Só não usei ainda porque não identifiquei exatamente o que é o formato da peça. Não sei, é algo fálico, para ser comedido na palavra. A moça da padaria, outra amizade que criei, disse que talvez possa ser uma carranca. Ou um pinto. Ela não tem certeza...
Tem ainda um papagaio super divertido, que eu não vejo, mas fala comigo atrás do muro de uma casa enorme. Poxa, ele é tão inteligente...a cada dia aprende uma palavra nova. Mas eu tava até comentando com o senhor da casa de artigos de umbanda: às vezes eu desconfio que ele talvez não seja um papagaio. Principalmente depois que ele cantou "Chupa que é de uva" pra mim hoje à tarde. E olha que eu já tinha até procurado saber o que papagaio gosta de comer pra levar pra ele amanhã. Vou tentar olhar por cima do muro...
Enfim, nada mais satisfatório. Você conhece melhor a sua cidade, faz algumas horas de exercício físico leve, relaxa, pensa na vida e ainda chega em casa às 21h! Ok, chegar em casa às 21h, quando você saiu do trabalho às 17h pode não ser uma grande vantagem, mas só de pegar ruas livres no trajeto de retorno eu já me sinto tão mais livre. E ainda me livro de virar um chato de ônibus. Pode ter certeza, é menos uma pessoa te cutucando pra falar que "nossa, esse trânsito tá impossível, né?!".
NEWS: Achei que conseguiria resistir à moda do Twitter, mas, ok, já me rendi. Já está ali no topo da coluna do lado direito do blog. Expostos ali, os últimos dois mini-posts. Em "Siga-me no Twitter", todo o resto. Durante todo o dia, postagens sobre... bem, sobre o quê eu ainda não sei. Talvez sobre o que está acontecendo, o que estou fazendo, com quem estou brigando, quem estou comendo (isso bem raramente, claro)...

quarta-feira, 13 de agosto de 2008

Dos filhos deste solo

Festival de talentos da escola. Alunos de todas as classes fazem a fila para cantar o Hino Nacional.
BRASILIANO - Uau! Uau! Maior legal! Maior legal! Você viu?
MARCOS - Vi o quê?
BRASILIANO - O Orkut!!! Agora dá pra ficar verde e amarelo!! O Brasil sempre vence!
MARCOS - Eu vi isso, só gente esquisita tá usando.
BRASILIANO - Qualé? Você não é patriota?
MARCOS - Não vou deixar meu Orkut barango daquele jeito, né?
BRASILIANO - Ah, já eu, visto a camisa do meu país!!! Ô Isquindô! Pra frente Brasil! Salve a Seleção!
MARCOS - Bom, eu acho que eu vou ao banheiro antes que comecem a ....
BRASILIANO - Não! Espera! Você sabe cantar o Hino Nacional? Sabe???
MARCOS - Sei, sei sim.
BRASILIANO - Todos os versos?? Sabe o que é o lábaro que ostentas estrelado?? O verde-louro desta flâmula? E o que é o impávido colosso?
MARCOS - Cara, eu realmente preciso ir ao banheiro...
BRASILIANO - Você tem noção do quanto foi difícil em pouco mais de 500 anos de história construirmos um grande local como esse para se viver? Sabe o quanto cada presidente abriu mão de tanta coisa para podermos levar essa vida que levamos hoje? Percebe o quanto o nosso país é vitorioso, como nós somos abençoados? Vivemos num país sem terremoto, furacão, guerras!
MARCOS - Ok. Tá certo, mas fala mais baixo...
BRASILIANO - E as nossas lindas mulheres! Samba! Caipirinha! Feijoada! Carnaval! Futebol! Ronaldiiinho! Como você pode desprezar tudo isso? Como?
A bandinha da escola começa a tocar o hino. Uma bailarina faz um número de dança com elementos de ginástica olímpica com a bandeira nacional amarrada na cintura.
BRASILIANO - E as nossas belezas naturais! Corcovado! Amazônia! As praias, belas praias!
MARCOS - Cara, pára de gritar, por favor.
BRASILIANO sobe no palco e interrompe o número musical da bailarina!
BRASILIANO - Vocês todos! TODOS VOCÊS! Hipócritas! Submissos ao sistema! Ao capitalismo! Todos com Nike no pé! Todos com iPod no ouvido! Valorizem essa terra, valorizem essa terra! De que adianta vestir a camisa da seleção, se por dentro vocês são todos filhos de Bush! Filhos de Bush!
BRASILIANO rasga a camisa e revela uma tatuagem do presidente Lula na barriga. Um grito ainda mais alto se ouve no recinto.
BAILARINA - AAAAAAAAAAH! Você....acabou com tudo! Me arruinou! Brasileiro tem que se ferrar mesmo!
BAILARINA vai até a mesa de som, coloca o cd com o tema Brasileirinho, inicia um ritual de dança, dá um duplo twist carpado e sufoca o pescoço de BRASILIANO com a bandeira do Brasil.
Sozinha, vai até à mesa de som novamente, coloca o Hino Nacional para tocar e reinicia a sua coreografia do zero.
A apresentação termina. Um minuto de silêncio. A BAILARINA em prantos. E, finalmente, a platéia vibra. BAILARINA abre um sorriso, desata o nó da bandeira que matou BRASILIANO, envolve em seu corpo e faz uma reverência ao público que a aplaudia de pé.
DIRETORA - E vamos agradecer a participação da nossa querida BAILARINA. Daqui a pouco temos um musical com o grupo da 8ª série, GAROTOS DO BRONX com a música "Minha linda Nova Iorque"!

quarta-feira, 6 de agosto de 2008

Prazeres da goiabada

Quinto dia útil do mês. Tempo frio e chuvoso. Carla vai ao supermercado.

CARLA - Mesmo com o meu salário na conta, tem coisas que são muito luxo, não cabem no orçamento. Essa goiabada aqui, por exemplo, eu não poderia comprar nunca. Não dá, não dá!

CARLA tira um abridor de latas do bolso, abre a embalagem da goiabada e começa a comer.

CARLA - São coisas que a gente tem que rever na vida. Prioridades! É assim que elas se chamam. Ou você compra o grosso, o arroz e o feijão, o papel higiênico, um biscoitinho pra agradar as crianças, ou se dedica aos prazeres da vida.

CARLA encosta o carrinho em um canto do supermercado, tira uma toalha xadrez do outro bolso e se senta no chão. Pega uma lata de Fanta Uva que trazia na bolsa e começa a beber.

CARLA - Essa goiabada é realmente um manjar dos deuses. Mas não dá. Se eu tiro R$5 para comprar, não dá pra levar o queijo. E o queijo é importante, tem cálcio. Na minha idade já temos que começar a nos preocupar com osteoporose. Então leite e queijo são fundamentais. Anota aí.

O SEGURANÇA do supermercado se aproxima de CARLA.

CARLA - Veja você. Aposto que também não tem dinheiro pra comprar uma mísera goiabada no fim do mês. Não tem! Aposto que não compra Tang, compra apresuntado no lugar de presunto e muita carne moída.

CARLA pega a última fatia de goiabada e começa a se levantar.

SEGURANÇA – Eu preciso que a senhora me acompanhe.

CARLA – Mas por quê? Será que não é permitido mais comer uma simples goiabada no supermercado que eu frequento há oito anos? Será que eu não posso mais sentir um único prazer na minha vida. Por quantos anos mais eu terei que saciar a minha vontade, aumentar a minha glicose, apenas com as jujubas que eu roubo dos meus filhos?

SEGURANÇA – As câmeras de vigilância filmaram a senhora colocando alguns produtos dentro da bolsa.

Surpresa, CARLA pega a tampa de metal da goiabada, gira no ar e rebate, acertando o esôfago do segurança. Em seguida, derruba o resto de Fanta Uva em sua roupa. Dobra a toalha xadrez e amarra em seu rosto como se fosse uma burca muçulmana.

CARLA – Tudo isso por causa de alguns alimentos? Eu tenho dinheiro, muito dinheiro! Só não queria gastar sacolinhas de plástico deste muquifo!

CARLA abandona a bolsa com seis latas de atum, dois pacotes de açúcar refinado, dezoito caixas de palito de dente e sai correndo, derrubando todas as prateleiras. Antes de chegar na porta do supermercado, ela pega uma outra lata de goiabada e coloca dentro da calcinha.

CARLA – Este prazer ninguém me tira!

Um carro com cinco crianças dentro a esperava do lado de fora. Ela entra no veículo e some no meio da neblina.
O segurança acorda e encontra um bilhete preso ao zíper de sua calça:
"Eu notei as suas segundas intenções ao me olhar. Podemos resolver essa questão no meu apartamento. Não me procure, eu te procuro. Rasgue esse bilhete e jogue os quadradinhos de papel no terceiro bueiro da rua da Praça dos Pombos. Esse é o sinal que me fará perceber o quanto você me quer. Ass: A moça da Goiabada"
Um outro segurança vai até ele e pergunta o que aconteceu.
SEGURANÇA 2 - O que houve? Você está bem?
SEGURANÇA - Tá tudo bem. Mas vai ficar melhor ainda.
Disfarçadamente, o SEGURANÇA rasga o bilhete em pequenos quadrados e o coloca no bolso. Sem que o colega pudesse perceber, ele pega três latas de goiabada e coloca no bolso do seu paletó.
SEGURANÇA - Vou até a rua da Praça dos Pombos.

terça-feira, 29 de julho de 2008

A terapia

PÉRICLES está sentado há pelo menos duas horas na sala de espera da clínica psiquiátrica indicada pela sua amiga Carla.
PÉRICLES: (pensando) Só a Carla mesmo pra me fazer matar serviço em plena terça-feira. Ainda bem que minha chefe acreditou na desculpa da avó morta. Imagina o que ela pensaria se eu contasse que estou vindo num consultório psiquiátrico. Ainda mais hoje, que era o meu dia de dar o dinheiro do pão de queijo pro escritório todo.

Por falar nisso, como demora essa consulta. Aquela gorda que entrou antes de mim toda suada e apertando uma bolinha massageadora com certeza tem muito mais pra desabafar com a doutora do que eu. Mesmo que aqui não seja uma clínica de lipoaspiração ela vai tirar um super peso das costas...hahahaha... nossa, eu estou cada vez mais engraçado...hahaha...peso das costas.. Ai ai... só eu mesmo. Mas bem feito, quem está pagando R$75 a hora é ela.

Ainda bem que tem essa televisão ligada aqui na sala de espera. Gente, e eu super acreditava que esse rapaz, Rafael Ilha ia se recuperar. Preso de novo. Sabe como isso se chama? Necessidade de atenção. Tem uma prima minha que faz psicologia e me disse que...

SECRETÁRIA - Pode entrar. A doutora Rosana já está aguardando.
PÉRICLES - Ahn? Já? Muito obrigado.
Na sala da doutora:
PÉRICLES - Prazer, doutora. Péricles.
DOUTORA - Desculpe pelo atraso, a paciente anterior demorou um pouco para desabafar.
PÉRICLES - Sem problemas doutora. Acho que não vamos demorar quase nada.
DOUTORA - Qual é o seu problema?
PÉRICLES - Sou o amigo da Carla, aquela que vem aqui três vezes por semana. Sabe?
DOUTORA - A prostituta bipolar?
PÉRICLES - Não, a manicure com mania de perseguição.
DOUTORA - Ah tá, a Carla do picuim loiro com raiz preta.
PÉRICLES - Essa mesma. A Carla, doutora, hahaha, vê se pode, hahahaha, disse que eu tinha que vir aqui só porque eu estou com uns problemas amorosos.
DOUTORA - Mais um homem que é casado e tá gostando do colega da mesa ao lado no trabalho? Isso se chama boiolice. Não costuma acontecer na sua idade, mas pode ser considerado normal.
PÉRICLES - Não doutora. Não é isso! Na verdade...
DOUTORA - Dê um porre nele e parta para o ataque. Se funcionar, vocês vão fazer sexo loucamente. Talvez ele não reaja muito bem porque estará alcoolizado, mas tudo vai dar certo. Se não funcionar, você será demitido. Posso ajudar em mais algo? São R$140 reais e pode pagar pra Sybelle, a secretária. A máquina do Visa tá quebrada, mas pode deixar um cheque com nome, telefone e RG atrás. Se for sem fundo, a gente te localiza. Se pensar em sustar o cheque, eu tenho meus contatos e você será um cara morto.
PÉRICLES - Eu tô apaixonado por uma foto!
DOUTORA - Como é? Deita aí rapaz...
PÉRICLES - Doutora, depois que eu vi o Orkut dela, eu me apaixonei. Eram tantos depoimentos falando que ela era gente boa, um amor de menina. A foto do perfil é tão delicada, ela está em frente a um espelho e se autofotografa com um celular Motorola V3. Mas o álbum tá bloqueado. Não deu pra ver outras fotos. Mas até a senhora se apaixonaria, garanto. Tem um computador com internet aqui? Eu mostro pra senhora.
A porta do banheiro do consultório se abre sozinha. Uma poça de sangue começa a escorrer. O corpo da verdadeira doutora aparece dentro do banheiro com várias marcas de garfadas e um croissant na boca que a impediu de respirar.
PÉRICLES - Mas o quê? Como?
FALSA DOUTORA - Ignora aquilo. Continue falando da sua amada foto. Você tem MSN?
PÉRICLES nota a presença de uma bolinha massageadora na mão da FALSA DOUTORA.
PÉRICLES - A senhora é a paciente gorda!
FALSA DOUTORA, agora PACIENTE GORDA - E você é um homem morto.
A PACIENTE GORDA tira um novo garfo da gaveta e enfia repetidas vezes no intestino de PÉRICLES. Para evitar gritos, ela coloca uma mexerica inteira em sua boca. Com apenas uma mão, ela abre um pacote de Ruffles e começa a comer. Ao mesmo tempo, o corpo de PÉRICLES é levado para o banheiro e acomodado em cima do da verdadeira psiquiatra. A PACIENTE GORDA marca um X vermelho em uma lista, acessa o Orkut, responde um scrap de uma amiga, coloca um novo jaleco, ainda não sujo de sangue, e volta a se sentar na mesa.
PACIENTE GORDA - Sybelle querida, pode mandar entrar o próximo paciente. Hoje o dia está uma loucura, não?
PROSTITUTA BIPOLAR entra no consultório.
PS: Post nº 100

domingo, 27 de julho de 2008

Querido amor,

Vim pensando nesta carta durante todo o caminho. Apesar da senhora ao meu lado estar descascando várias mexericas, separando os gomos e colocando-os em uma sacola preta, eu consegui me concentrar. São os benefícios de ficar preso em plena sexta-feira num engarrafamento na avenida Paulista. Se não houver ninguém com alguma conversa interessante no banco atrás de você, é uma ótima oportunidade para se refletir.
Enrolo para começar porque não é fácil. Da última vez em que conversamos você disse que tudo ficaria bem. Eu, como sempre, acreditei. E mais uma vez não ficou tudo bem. Agora, ao invés de ir para casa depois do trabalho, estou indo ao hospital te visitar. Você não se importava quando eu dizia "te cuida". Era para se cuidar mesmo. Tomar cuidado com as coisas que as pessoas te dão. Você sabe como te visam e te invejam graças à sua posição. Posição, beleza, grana. Tudo isso atrai os olhares mais maldosos.
Quando a minha amiga Carla me convenceu a te envenenar com chocolates rechados de raticida, eu não imaginei que a situação ficaria assim eternamente, não imaginava um coma. Hahahaha! É cada uma! Que engraçado...Bem, tudo que eu queria era poder ficar mais tempo ao seu lado, ser responsável por você. Eu queria que quando você melhorasse, ficasse sabendo que eu fiquei todo esse tempo junto de ti. Aí viveríamos felizes para sempre.
Bom, pelo visto deu mais certo do que eu esperava, rsrs. Estou indo ao seu encontro agora. Você não pode me ver, me ouvir, falar comigo. Mas eu estou até levando balões para enfeitar o seu leito. E também fotos! Muitas fotos nossas para enfeitar aquela parede sem graça. O hospital inteiro vai conhecer o nosso amor. Tive que deixar os nomes dos seus antigos amores na portaria do andar. Não poderão entrar nunca. Afinal, você não pode receber visitas de pessoas que te tragam más lembranças, lembrem o passado. Pode fazer mal...
Infelizmente você também não vai ler essa carta. Segundo os médicos, não pelos próximos dois anos. Vou colocá-la onde você nunca poderá encontrar. Com ela minha mente está mais aliviada. Não concordo quando dizem que entrei em estado de desequilíbro. Pensam que eu fiquei louco por você estar doente. As pessoas não sabem mesmo o que é amar, não é? Talvez só nos dois saibamos.
Meu amor, sabe o que seria belíssimo? Eu comer o mesmo bombom que te dei e te deixou assim. Seríamos Romeu e Julieta da vida real. Um em coma ao lado do outro. Podem até escrever um livro da nossa vida, transformar nossa paixão em uma peça de teatro com o José Mayer me interpretando. Decidido. Essa carta é uma despedida do mundo. Porque agora eu me entrego completamente ao meu sentimento. Não suporto te ter de forma incompleta. Quero entrar na mesma sintonia que você.
Restam dois bombons. Um para mim, que comerei na porta do hospital. Quando cair ao chão, já estarei ao seu lado. O outro bombom vai para a senhora das mexericas, que com certeza irá aceitá-lo. Tem cara de que aceita tudo. Ah, faça-me o favor! Não se deve sujar o ar alheio com esse cheiro irritante e forte de mexerica. Ah, se existissem no mundo mais pessoas racionais como eu...
Nos vemos em breve e serei seu para sempre.
PS: Não repara a letra. De vez em quando o ônibus anda e dá uma chacoalhada, acabou ficando tudo meio tremido. Mas como você sempre diz, o mais importante é o conteúdo, né?

sábado, 19 de julho de 2008

Bravo, bravíssimo!

Essa semana quando assisti na televisão uma entrevista de Dolores em sua festa de aniversário de 101 anos, imaginei que nos próximos meses ela nos deixaria. Já aparentava um pouco de fraqueza e rouquidão, apesar de tentar mostrar a todo custo que estava bem e forte. Mas a estadia da maior atriz de comédia do Brasil durou apenas mais alguns dias, bem menos do que poderia imaginar.
Dolores deixou a Terra sob muitos aplausos. Levou junto com ela a irreverência, o bom humor, a falta de memória e os peitos de fora. Deixou aqui uma história de mais de um século de vida e experiências que transcendem qualquer coisa que se limite apenas à vida ou morte.
Bravo Dolores, bravíssimo!

sábado, 12 de julho de 2008

Pílulas de Heath Ledger

Intrigante pensar em como realmente pode ser solitária a vida em um quarto de hotel. Viajar sozinho tem dessas mesmo. Apenas dois dias aqui e eu já queria simular uma cena à la Heath Ledger e ser encontrado com pílulas e frascos de medicamentos em volta de mim, enquanto eu fico deitado só de cueca no chão, ao lado de uma poça de sangue. Seria interessante também ter uma garrafa de vinho vazia e uma taça quebrada ao meu lado. Mais legal ainda seria se demorasse semanas para eu ser encontrado.
É claro que esses pensamentos vão embora quando eu ligo a televisão e vejo o Jô Soares entrevistando um personal friend. Se realmente existem pessoas que precisam contratar um amigo para ir ao cinema, eu não estou numa situação tão crítica assim. Até porque, é ótimo ir ao cinema sozinho, essas pessoas apenas não descobriram.

Mas não deixa de ser chato pensar que depois de um dia inteiro de trabalho, entrevistas, uma passeada em algumas lojas, você vai voltar para um lugar que não é a sua casa, dividindo paredes com pessoas que você não faz idéia de quem são e por que estão ali. Pessoas que podem ser muito diferentes, ou pior, muito iguais a você! Inclusive pode ser que tenha vários Heath Ledgers no mesmo andar do hotel que você está. E para elas o Jô não vai ser uma boa companhia.
Você que está viajando pelo mundo, de quarto em quarto de hotel, guarde bem as suas pílulas e medicamentos. Se o Jô realmente não te animar numa vazia noite num quarto com o ar gelado , pense que você tem um frigobar à sua disposição, só para você!. E meu caro amigo, isso é privilégio para poucos. Melhor ainda se o seu quarto tiver TV a cabo e você puder assistir House antes de dormir. As pílulas ficam só para ele.
PS: Se eu não voltar a escrever nos próximos cinco dias, espere mais duas semanas para criar aquele suspense. Aí sim, peça para a camareira do hotel me procurar. É sempre a camareira que encontra o defunto.

quarta-feira, 9 de julho de 2008

O balanço

Não era minha intenção deixar o blog tanto tempo sem atualização. Mas a transição junho/julho foi tão complexa que a última coisa que dava vontade era vir escrever aqui. Por favor, não me venha com aquele papo de que escrever é uma técnica para desabafar e que eu deveria ter despejado minhas lamúrias no teclado. Não cola mais.
Mas é interessante, há um mês eu não tinha tanta alergia (é, eu disse alergia mesmo, e não alegria) como eu tenho agora, tinha 20 dvds a menos e não era viciado em assistir Heroes e House. Sim, creio que estas foram as mudanças mais significativas em pouco mais de 20 dias sem atualizações. Mas a vida não está parada! Incrivelmente não está. Tem uma viagem interestadual saindo do forno, muito trabalho sendo feito e muitas horas de sono sendo perdidas.
Apareceu também uma vontade incrível de investir em sonhos impossíveis. Nas horas diárias de viagens em ônibus, me vem à cabeça a minha imagem apresentando um programa de televisão com auditório e fazendo campanhas publicitárias para quais eu sou contratado graças ao meu sucesso como animador de auditório.
Dentro do ônibus também me dá uma vontade incrível de jogar na Mega Sena. Mas uma vontade diferente, daquelas que você sente que vai ganhar de verdade. O estranho é que essas visões do futuro só acontecem quando eu estou sentado sem ninguém ao meu lado. Elas duram pouco, admito. Sempre vem alguma senhora sentar ao meu lado, mesmo com vários bancos vazios. Eu me sinto podado, sei lá. Aí os sonhos-acordados ficam para o outro dia.
E é legal sonhar assim. Pelo menos esses pensamentos são você quem controla.

quinta-feira, 19 de junho de 2008

Caminhos

Depois que um ex-amigo que está se tornando amigo de novo (vibe completamente Leila Lopes com Berenice) me disse uma frase que envolve cachorros, linguiças e cobras, eu tenho pensado muito mais na minha vida. Em como eu sou, o que eu faço e com quem eu me relaciono. E caramba! Como tem coisa errada que poderia estar muito diferente se eu quisesse. Muita coisa...
Com uma outra amiga tive uma conversa sobre caminhos que a gente escolhe seguir, e como fica difícil voltar atrás depois que este já está traçado e você já está na metade do percurso. Até dá pra voltar sim, mas o trabalho de reescrever o mapa da sua vida desanima. A gente continua no caminho errado até que um ciclo se termine. Aí sim, na maioria das vezes, você escolhe outra direção a seguir.
Tanta coisa acontecendo, tantos pontos finais se aproximando junto ao fim deste ano. A cabeça vai dando um verdadeiro nó. E é assim que eu estou me sentindo nos últimos tempos. Meio que completamente amarrado, preso num emaranhado de nós. Desatar é complicado. Principalmente para quem nunca teve facilidade nem em amarrar um cadarço do tênis.

quinta-feira, 12 de junho de 2008

A "gerenta" e a ausência da azeitona

A semana corria normalmente até que R$200 misteriosamente apareceram na minha conta do banco. Mais misteriosamente ainda eles sumiram. Bendito banco que percebe os seus erros sem que eu tenha que comunicá-los. Não deu nem tempo de comemorar, muito menos de ir à agência perguntar ao meu gerente o que tinha acontecido.
Aliás, acho tão íntimo essa coisa de falar com o "seu gerente". Às vezes eu penso que queria ter um contato maior com o meu gerente. Não sei nem o nome dele. Na verdade não sei se o meu gerente é gerente ou..."gerenta". Mas a vontade de ser amigo da minha gerenta (prefiro pensar que ela é realmente uma simpática gerenta com a cara da Malu Mader) passa depois que eu percebi que nunca fui à minha agência, nem pra assinar o contrato.
Na verdade, na única vez que precisei de auxílio dos funcionários desse banco, a moça da central de atendimento telefônico resolveu tudo tão rápido. É isso. Sou adepto da teoria "Converse com sua atendente". Ela ainda não é sua gerenta, não é a Malu Mader, mas tenta resolver seus problemas em uma só ligação.
...
Este agrado às atendentes da central de atendimento telefônico deve servir como um acalento ao ego desses profissionais que devem ter algum problema comigo. Depois da saga da Editora Abril que há uma semana me deixou em paz, ontem foi a vez da pizza. Ontem, a Raquel do tele-pizza riu de mim porque eu quis tirar a azeitona da pizza portuguesa.
- Mas é justamente a azeitona que dá o gosto na pizza!
- Eu não gosto de azeitona. Ainda mais essa preta...
- A gente pode trocar pela verde! Sem azeitona fica ruim, sô!
- Eu não gosto de azeitona mesmo, moça.
- Você que sabe... mas ninguém costuma tirar a azeitona...hehehe (riso sarcástico)
- Aham.
- Hahahaha... qual o endereço?
Agora numa pizza que tem quase 12 ingredientes no recheio, apenas um - a azeitona - dá o gosto. Não sei se a pizzaria é ruim, ou a azeitona é milagrosa. O que importa é que a atendente debochou de mim porque eu queria minha pizza sem azeitona. Vou levar esse problema com pessoas ao telefone para a terapia. Se eu fizesse, claro.
Considerações finais: Qual a importância de um 12 de junho se logo amanhã é sexta-feira 13?

quinta-feira, 5 de junho de 2008

Novas abordagens

Achei que finalmente estava livre da Editora Abril depois da conversa que tive com o Felipe. Eis que chego ontem em casa e me deparo com um envelope de plástico transparente. Dentro, sem precisar abrir o envelope (claro, era transparente), era possível ver o seu chamativo conteúdo.

"O NOVO MUNDO DE FERNANDO" era o título.

Um livretinho com o meu nome na capa, e, uma margem com várias fotos de macacos, tigres, leões e outros animais selvagens. Ao fundo, a imagem de uma selva.

Eu fui ofendido ou isso tem alguma outra conotação que eu não entendi? É isso que eles fazem com quem tenta confundí-los nas ligações telefônicas?

Da próxima vez serei mais gentil pra ver se eles me mandam "O NOVO MUNDO DE FERNANDO" com fotos de cachorrinhos, ou qualquer animal que seja mais simpático e que cause menos dualidade de sentido do que macacos.

PS: É claro que dentro do livrinho dos primatas não tinha a minha biografia e sim, a propaganda de uma enciclopédia/atlas. Ainda assim eu não engoli essa história. A Editora Abril que me aguarde...

domingo, 1 de junho de 2008

Um personagem

Depois de ela muito insistir, eu disse sim. Afinal, era uma grande oportunidade de reencontro, e pelo que tinha me falado, o pessoal que estaria lá é muito legal. Não custaria nada e eu, definitivamente, não ficaria em casa todo o resto daquele sábado.
Pouco antes da hora de ir, comecei a sentir uns choques dentro de mim. Assutador. Os olhos começaram a doer só de virar a cabeça e muitos espirros. Muitos espirros. Estes são os sintomas da minha gripe. Mas ainda era um estágio muito inicial, nada que atrapalhasse o divertimento da noite.
Bisbilhotei um pouco o perfil das pessoas que estariam lá. Nada muito extravagante. Camisa branca, calça jeans surrada e All Star. Sem uma mãe em casa fica difícil prever que à noite faz muito frio.
Empolgado, fui em direção ao local marcado com a amiga para, de lá, irmos ao regabofe. O horário combinado? 17h. O horário em que a amiga chegou? 18h30. Nada que tirasse a minha paciência. Ela me trouxe um bombom para se desculpar pela demora. Eu cedi.
No local da festinha, setas indicando o local onde tudo iria acontecer. Em frente à última marcação, três garotas escrevendo cartazes com frases em francês. Sinal do que viria no resto da noite. Enquanto conversávamos num clima de harmonia sensacional em que eu tentava ser o mais simpático possível, um dos rapazes presente me questiona:
- Cara, você é assim mesmo? Ou você é um personagem, sei lá... você está fingindo?
Eu juro que já estava me divertindo e gostando das pessoas dali, me sentia à vontade e tudo mais. Justo quando eu estava sendo eu, não acreditam. As frases seguintes foram:
- Nossa, é mesmo! Você parece tímido, mas não é!
- É sério? Você está fingindo mesmo?
Foi só começo da noite em o mesmo garoto perguntou 13 vezes se eu sou vocalista de alguma banda; em que eu fiquei sabendo que o bairro que eu moro é "heavy metal"; que eu aprendi uma brincadeira chatíssima sobre bichos; em que a minha gripe aliada à falta de agasalho se transformou num princípio de pneumonia; e em que uma menina que eu nunca vi na vida chegava por trás de mim toda hora, cutuva meu ombro e saía correndo. E ela devia ter pelo menos 21 anos.
No fim das contas? Adorei. Não vejo a hora do próximo encontro, em que eu estarei bem agasalhado.

terça-feira, 27 de maio de 2008

Sem assinatura

Foi no sábado. O telefone tocou pra mim aqui em casa. Mas ninguém me liga em casa. Ninguém me liga em nenhum lugar. E, seguindo as regras estabelecidas e normatizadas por mim, ninguém deveria me ligar em pleno sábado. De manhã. Não se liga pra ninguém num sábado de manhã.
Claro, não seria uma ligação importante. Afinal, era uma ligação para mim. Desta vez eu nem fui muito ansioso. Já imaginava o que viria. Depois de misteriosos cumprimentos e educadas saudações de ambas partes, a figura do outro lado da linha se revelou: era o Felipe. Felipe, mais um atendente de telemarketing ativo, que com um sotaque baiano, tentava me empurrar uma assinatura da revista Veja.
- Sabe quanto o senhor estaria pagando caso optasse pela assinatura de dois anos?
- Não, não sei. Eu não gosto da Veja.
- Mas o senhor não é jornalista?
- Oi?
- Heheheh...
- Como você sabe o que eu sou?
- Qual revista o senhor gosta? Estamos com várias ofertas especiais para um cliente especial como o senhor. Tem uma muito boa aqui... peraí (barulho de papel passando, consultando alguma lista)...
- Ahm...tá. Turma da Mônica.
- Turma da Mônica...(barulho de papel passando, consultando alguma lista). Senhor Fernando, Turma da Mônica não é da Editora Abril. Alguma outra revista de seu interesse?
- Fora Turma da Mônica?
- É, fora a Turma da Mônica, senhor.
- Deixa eu pensar... aquela revista...Rolling Stones... é de vocês?
- Só um minuto... (barulho de papel passando, consultando alguma lista). Não senhor, essa revista também não consta no nosso... no nosso...(respira fundo) lista.
- Oi?
- Não consta no nosso cardápio.
- Cardápio?
- Perdão senhor, não consta no nosso ... (pronunciou alguma palavra que eu não consegui decifrar)
- Ah, então não quero nada não, brigado.
- O senhor tem filha?
- (Silêncio confabulante)... Tenho sim. Três.
- Elas lêem Capricho?
- Não, só a Bíblia.
- ...
- ...
- ...
- ...(silêncio constrangedor) Mais alguma coisa?
- No acumulado, dois anos de VEJA dariam mais de 60% de desconto...
- Eu não sou jornalista. Sou astrônomo.
- Como?
- Astrônomo.
- (Barulho de papel passando, consultando alguma lista). O senhor conhece a revista Mundo Estranho?
- Oi? Boa sorte aí.
- Obrigado, senhor.
- Por nada. Bom dia.

E assim, o telefone no sábado não tocou mais pra mim. O máximo de interrupção que houve naquele dia foram algumas mensagens no celular de uns locais esquisitos chamando para uma calourada, uma cervejada, uma pagodada... e algum outro "ada" que eu, de verdade, não me lembro agora. Devidamente ignoradas, eu pude voltar pra minha fatídica vida agridoce em mais um sábado amargo.

domingo, 25 de maio de 2008

Destino cruel

Da coluna Canal 1, do Flávio Ricco:

Ciclo
O SBT procura um outro garoto para formar dupla com Maisa Silva na apresentação dos programas "Carrossel animado" e "Bom dia & Cia.". Priscila e Yudi já estão, na visão de Silvio Santos, velhos para a função.


Priscila e Yudi, não fiquem tristes. Se tudo der certo, o máximo que vai acontecer é vocês irem para o mesmo lugar onde estão Celso Portiolli, Adriane Galisteu, Ratinho, Christina Rocha...




A segunda opção, mais dolorosa, é fazer companhia para Jéssica e Kauê. No limbo.

terça-feira, 20 de maio de 2008

Drama Diário

Estreou ontem em grande estilo mais um blog superdubacana que promete aprontar altas confusões, com uma galera que vai te deixar de cabelo em pé.

(...)

Desencarnado o narrador das vinhetas da Sessão da Tarde, esse post é só mesmo pra avisar que já está adicionado ali na coluna da direita o link do Drama Diário. No mesmo modelo do Blônicas e de alguns outros que já existem por aí, cada dia da semana uma figura posta um texto. Coisas que valem a pena ler mesmo.

Aproveita e dá uma passada nos outros blogs que também estão indicados ali. Tem coisa boa.

Boletim de Notícias

Exatamente uma semana sem uma atualização decente no Fale com Ele. Uma semana em que, parafraseando Leila Lopes, "sem pieguices, sem demagogia, sem hipocrisia", foi de sonhos realizados e muitos bons acontecimentos. Alguns dias em que fiquei feliz de verdade, como há muito tempo não ficava. (Pausa dramática).

Mas, como eu sou o que menos importa neste blog, vamos dar um giro nas notícias mais importantes desta semana. Aquelas que você não pode ficar sem saber, afinal, precisa ter assunto na mesa do bar.... (Pausa dramática II):

- Tá, tá todo mundo cansado de saber da película cinematográfica destinada ao público adulto da sempre ela, Leila Lopes. Mas, nos últimos dias, o novelista Walcyr Carrasco desceu a lenha na atriz (ponto). Lamentou o rumo que a carreira da artista que ele lançou tomar este caminho. Leia mais aqui.

E chegamos ao fim de mais um boletim de notícias. Você conferiu acima, o que de mais importante aconteceu nos últimos dias. Notícias que mudaram a minha vida, e vão mudar a sua. Me dá até orgulho...aqui, a informação vem sempre em primeiro lugar.

sábado, 17 de maio de 2008

Cansado

E sem voz.
Mas feliz.

terça-feira, 13 de maio de 2008

Best 50

Eu adoro listas. Não listas de compras, nem de tarefas, claro. Mas aquelas listas de classificação, Top's, coisas asssim, entende?. Depois da lista das 100 melhores séries de todos os tempos, divulgada pela revista Monet, o Fale com Ele reproduz agora uma classificação do tablóide britânico The Sun que divulgou as cinquenta cantoras que nunca serão esquecidas. Dá uma olhada.

01 - Madonna
02 - Cher
03 - Mariah Carey
04 - Cyndi Lauper
05 - Whitney Houston
06 - Celine Dion
07 - Beyoncé Knowles
08 - Shakira
09 - Kylie Minogue
10 - Britney Spears
11 - Shania Twain
12 - Donna Summer
13 - Gloria Stefan
14 - Amy Lee
15 - Gwen Stefani
16 - Roxette
17 - Christina Aguilera
18 - Jennifer Lopez
19 - Lauryn Hill
20 - Nelly Furtado
21 - Mary J. Blige
22 - Gery Halliwell
23 - Alanis Morissette
24 - Barbra Streisand
25 - Thalia
26 - Janet Jackson
27 - Pink
28 - Anastacia
29 - Norah Jones
30 - Laura Pausini
31 - Enya
32 - Emma Bunton
33 - Sarah Brightman
34 - Aretha Franklin
35 - Fergie
36 - Björk
37 - Kelly Clarkson
38 - Diana Ross
39 - Debbie Harry
40 - Janis Joplin
41 - Missy Eliot
42 - Toni Braxton
43 - Gloria Gaynor
44 - Patti Labelle
45 - Agnetha Fälskog [Abba]
46 - Courtney Love
47 - Tarja [Nightwish]
48 - Deborah Cox
49 - Joss Stone
50 - Lily Allen

quarta-feira, 7 de maio de 2008

Referências - Parte II

Ainda permaneço naquelas de me assustar quando vou dar uma olhada em como os visitantes têm chegado ao Fale com Ele. Acho que pelos termos usados nas buscas, podemos perceber o nível de cultura do leitor que recebemos por aqui, e, conseqüentemente, o grau de importância deste blog na sociedade internética brasileira. Veja agora algumas das principais buscas no Google que trouxeram leitores a este blog na última semana:
- travesti monique
- quanto ganha [sic] yudi e priscila
- perca [sic] de memória recente
- porque expira [sic] quando tá gripado
- sic
E agora, a sequência vencedora da semana. Enquanto eu achava que o maior chamariz de leitores para cá eram as histórias que envolviam as musas Leila Lopes e Ângela Bismarchi, eis que me deparo com um volume enorme de leitores que chegaram aqui através de buscas com frases como:
- carlos alberto de nóbrega, motivo da separação
- a separação de carlos alberto de nobrega de sua esposa andreia de nobrega
- motivo da separação de carlos alberto de nobrega e andrea
- o que diz andreia de nobrega sobre a separação
- qual foi o motivo da separação de carlos alberto e andreia
- gostaria de saber o motivo da separação de andreia de nobrega
- ... e todas as 135 variantes possíveis das frases anteriores.
De agora em diante, Carlos Alberto de Nóbrega e Andréa, ainda sem novo sobrenome definido, são declarados os embaixadores do Fale com Ele. E tenho dito.

segunda-feira, 5 de maio de 2008

TV: Agenda

Se recuperando aos poucos da notícia bombástica do último post, Fale com Ele volta aos poucos à sua rotina (?) de atualizações. Como incrivelmente ainda estamos na segunda-feira, segue uma pequena agenda de programas que valem a pena (ou não) serem sintonizados na TV aberta durante a semana. Informações super úteis, pra você que, como eu, adora falar que não tem nada pra ver na TV.


Até que enfim: Com a promessa de pagar o maior prêmio da TV brasileira até hoje, estréia nesta terça-feira na Rede Record, Aprendiz 5 - O Sócio. Desta vez, o candidato que ficar por último e não for demitido, além de se garantir como sócio de Roberto Justus em uma de suas empresas, vai levar o prêmio de R$ 2 milhões. Há quatro edições o Justus fala que não vai haver mais edições do programa, "que já deu o que tinha que ter dado". Dessa vez, sem topete, ele já admite uma sexta edição. Na coletiva de imprensa do lançamento do programa, há um mês, já foi cogitada uma versão com celebridades. Apesar de eu só ter concordado uma vez com as decisões finais de contratação do programa, é sem dúvida uma das melhores opções da TV. Para aquele time que fica cobrando programa inteligente, com conteúdo e adora esculachar o BBB...tá aí uma opção.


Vale para rir: Astros entra em seu segundo mês com uma audiência satisfatória. Na semana passada, o grupo de pagode "Emoção a mais" ganhou a final. Nesta quarta-feira, às 21h45 (ou assim que acabar a novela da Globo), começa mais uma etapa de audições. Para quem ainda não entendeu a nova mecânica do programa, é assim: como no mês passado, serão três semanas ouvindo e vendo candidatos bizarros e algumas poucas espécimes com talento. A cada quarta-feira, os jurados escolhem os melhores. Na final, na última quarta-feira do mês, estes candidatos vão ao palco, se apresentam. Daí, os jurados escolhem o melhor deles. O campeão do mês leva um carro. Claro, como não poderia deixar de ser, o candidato mais bizarro também ganha espaço na final. Na semana passada, o candidato "Piu-Piu" levou a melhor/pior e graças às suas loucuras ganhou uma moto.


Por sua conta e risco: Após cinco meses fora da televisão, Maria das Graças volta ao ar no horário mais ingrato possível: sábado de manhã. Tudo bem que ela já apresentou o incendiado Exuxa Park neste mesmo período do dia, mas, de lá pra cá, o horário caiu no esquecimento. De qualquer forma, com a promessa de um programa para toda família, a ex-esposa de Marlene Mattos estréia o novo TV Xuxa neste sábado. Para tentar atrair um público, ela recorre às armas de sempre: levar a filha e Ivete Sangalo para cantar no palco. Quem tiver coragem - de acordar no horário e assistir - que dê o seu parecer depois. Eu me abstenho por enquanto. Lembrando que no mesmo horário Maísa Silva vai estar no ar aovivaço com o Sábado Animado. Alguma dúvida de quem a gente vai escolher? Chucha, pode colocar...na bunda?

Fixo:

Todos os programas citados acima estréiam novas temporadas nesta semana. Mas, apenas como serviço, e como temos vergonha de indicar o Superpop como programa ideal para se assistir diariamente, o dono deste blog indica o CQC - Custe o que custar. Pouco mais de dois meses no ar e já se mostrou uma opção incrível na Band, que há muito tempo não jogava nada de interessante no ar. O time liderado por Marcelo Tas veio com um formato dos hermanos argentinos e garante boas risadas nas noites de segundas-feiras (e nas reprises de sábado). Os vídeos do "repórter inexperiente" Danilo Gentili, por exemplo, já são febre no Youtube. É uma boa... Se você não estiver afim de ver a Hebe, se o filme da Tela Quente for repetido, ou se a Luciana Gimenez não estiver com a Ângela Bismarchi no palco do Superpop... dá uma zapeada na Band: segundas-feiras a partir das 22h15.

terça-feira, 29 de abril de 2008

Luto


Este blog está em luto. Motivo: separação do humorista Carlos Alberto de Nóbrega e a exímia atriz Andréa, ex-Nóbrega. Reflita sobre.

sexta-feira, 25 de abril de 2008

Girou, girou, girou e entrou

Este blog resolveu permanecer em silêncio até que se confirmasse ou negasse de uma vez por todas a penetração de Leila Lopes na indústria de filmes pornográficos. Durante toda a semana, Leila, em uma jogada de marketing de mestre, negou com todas as letras a participação neste tipo de filme. Disse que tem família, mas não descartava a hipótese. Ou não, vai ver que bateu um "nada mais me lembro" e ela se esqueceu de ter gravado o filme. Enfim, eu já estava acreditando que Leila estava sendo "vítima da internauta" mais uma vez.

Eis que, no c'est fini da semana, surge a capa de "Pecados e Tentações", a película destinada ao público adulto protagonizada por Leila. Ela entrou, já gravou e ainda tentou dar uma cara de filme italiano ao pornozão. Ficamos chocados. Nossas cabeças começaram a "rodar, rodar, rodar, rodar, sem saber para onde estavam indo, ou como se já estivessem no céu". Quase que tive que ser carregado pelas macas da Varig...

Leila, estamos com você nessa.

Maaaaas, na verdade até que o filme chegue às bancas, lojas, locadoras e oficinas mecânicas e nós possamos assistí-lo e dar nosso parecer, vamos abandonar este assunto. Afinal, não é ético incentivar este tipo de prática. "Mulher, não te prostitua!" Na verdade, nós aqui apoiamos ações muito mais éticas e filantrópicas, como a reconstitução da virgindade de Ângela Bismarchi. Não existe essa de que "nada do que foi será de novo do jeito que já foi um dia". O hímem de Ângela sim.

Ângela, estamos com você nessa.

PS: Eu juro que a partir do próximo post eu paro de escrever no plural. "Estamos", "ficamos"...coisa desagradável.
PS2: Hoje é Dia do Contabilista e dia do aniversário da Raíssa. Não sei se é o post mais pertinente para desejar parabéns para alguém... mas... Parabéns contabilistas....!!!
PS3: ...E parabéns, Raíssa!!

terça-feira, 22 de abril de 2008

Berenice, segura!

Este blogueiro que vos fala está animadíssimo desde que leu a notícia de que a musa número 2 deste blog, Leila Lopes, finalmente confirmou o lançamento de suas películas cinematográficas destinadas ao público adulto.

A expectativa era grande desde que o boato surgiu em 2006. E olha que nesta época Leila ainda não era uma diva da webcultura com seus grandes hits: No Limite da Morte, Cats e Eu Odeio a Telesp.

Enquanto o aguardado lançamento do ano não acontece, o Fale com Ele sugere à produtora Brasileirinhas algumas opções de nome para a obra de Leila.

- Berenice, não me segura!
- Terapia Sexual, o filme
- Espanhóis, portugueses e a brasileira
- Sexo nas macas da Varig.
- Nada, nada, mais me lembro.
- Tentando ser boa
- Aventuras em Maragogi

Me desculpe Rita Cadillac e Gretchen, acho ótimas, mas Leila Lopes é Leila Lopes. Só é superada pela nº 1, Ângela Bismarchi, que estava deslumbrante no SuperPop ontem à noite.


Na foto, Leila Lopes já começa a ensaiar a vitória como melhor atriz no Oscar Pornô do ano que vem.

Atualização: 20h25 - Leila Lopes acaba de negar em um conceituado programa jornalístico da televisão no TV FAMA, que não fez filme pornô nenhum. É tudo intriga da oposição. A gente fica triste. Mas ela deixou esperança. Disse que não descarta a possibilidade de fazer um dia.

sábado, 19 de abril de 2008

Referências

É sempre divertido saber como os visitantes chegam ao seu blog. O SiteMeter além de ser um contador, mostra alguns detalhes dos computadores dos leitores, como eles acharam seu blog, que palavras usaram em buscadores e acabaram caindo aqui, entre outras frescuras. Hoje, excepcionalmente, me assustei com algumas buscas do Google que acabaram dando aqui no Fale com Ele. Incrivelmente teve gente que procurou por ...

- "excitado com espirro"
- "priscila alcantara no banho"
- "fusquinha que tem que empurrar"
- "perda de memória recente"


... e acabou aqui.
Obviamente, este não é um post patrocinado. Quem sou eu...

sexta-feira, 18 de abril de 2008

Uma sociedade espasmática

Quando na sua vida você teve que ler cinco livros, produzir um programa de televisão, escrever cinco grande reportagens, fazer um plano de comunicação para uma entidade de terceiro setor, produzir uma peça de teatro com base em um dos cinco livros que você está lendo, e ainda ser lindo, elegante, simpático, carismático e cheiroso em tempo integral, tudo isso ao mesmo tempo no pequeno intervalo de uma única semana?
Pois bem. Tirando a parte do lindo, elegante, simpático e carismático, que nem que eu quisesse dava pra fazer, os últimos dias foram de completo caos. Além de fazer tudo isso, tive que levar a cachorra pra passear, pagar contas, pagar contas, pagar contas e ajudar a prima de cinco anos no trabalho de "estudos sociais", sentado no chão e recortando palavras da revista VEJA. Há quanto tempo você não faz isso?

Mas, a vida vai em frente porque existe algum ditado popular que eu não me lembro agora que diz que um dia tudo que vai volta, ou... que a gente vai receber em dobro tudo que fizer, que o barato sai caro, ou sei lá, que água mole em pedra dura, tanto bate até que fura. Enfim, o que eu quero dizer é que o que importa é que um dia tudo isso vai ser recompensado. E é essa força que vem lá de cima que me faz viver...

(not!)

Sem pieguice, tenho me sentido útil, coisa rara, e cansado, coisa não-rara.
Dia 21 agora tem um feriado estratégico. Coisas de Brasil mesmo. Tiradentes é feriado e o dia do Descobrimento do país, não.

Planos futuros:

- Academia
- Auto escola
- Completar a coleção de dvds de Friends
- Parar de comprar dvds!

PS: O título, nada a ver com o post, é referência a uma atitude intríseca ao ser humano que eu descobri nos últimos quatro meses. Espasmos são espasmos...

segunda-feira, 14 de abril de 2008

Curta

Reclamaram que os posts estão muito grandes, que dão preguiça e que desanimam antes mesmo de começarem a ler...

Uau.

sábado, 12 de abril de 2008

TV: reality show sem nome


Na última quarta-feira, quem lembrou de assistir acompanhou a estréia do novo reality show musical do SBT. O "programasemnome", ex-novosídolos, começou quase sem alarde e divulgação e ainda teve alterações de última hora que prejudicaram a qualidade da estréia. Mesmo assim, a audiência não foi tão decepcionante, mais do que merecia, aliás - média de 10 e pico de 13,4 pontos, triplicando a média do horário em relação às semanas anteriores.
De cara, os apresentadores Lígia Mendes e Beto Marden aparecem em um vídeo gravado horas antes da exibição do programa avisando da mudança do nome graças a uma liminar judicial. Agora, para tentar remediar a estréia de um programa sem título, os telespectadores serão os responsáveis pela escolha da nova alcunha. O felizardo que tiver o nome sugerido escolhido ganhará...R$200.
Como já era de se esperar, o humor tomou conta da atração. Apenas três candidatos - uma skatista que se esconde atrás de um violão, um grupo de pagode e um cara que faz diversos sons com a boca - foram aprovados. Em mais de uma hora de programa, desfile de gente esquisita, mas do jeito que o povo gosta. Senti falta da narração de Beto e Lígia sobre os candidatos. Devem ter sido substituídas de última hora também.
Os jurados, responsáveis por parte do sucesso do programa, continuam os mesmos. Mas eu sinto vergonha alheia por estarem passando por isso. Gente que entende de música tendo que "julgar" o Homem-Suvaco. Tudo pela audiência. Nas próximas semanas o show de bizarrices continua, inclusive com a volta de um personagem do Ídolos 1, a Tidinha. É aguardar pra (não) ver.

Pela primeira vez eu deixei de atualizar o blog realmente por falta de tempo. Dá até um orgulho falar isso.

terça-feira, 8 de abril de 2008

Quando Tony Tornado te gera um trauma



TOC tá mesmo na moda. Todo dia eu descubro alguém com alguma mania peculiar e fico abismado. Tem gente que só bebe líquidos de cor laranja, outros que só lavam as mãos com sabonete de papoula e aqueles casos mais normais, em que o cidadão precisa de quatro toalhas brancas para enxugar o corpo após o banho.

Eu mesmo quase não tenho. Só aquele básico, tipo levantar com o pé direito, que às vezes eu confundo com superstição, então não sei se vale como transtorno. Mas, hoje pela manhã enquanto eu me preparava para ir à faculdade, reparei que eu tenho um outro vício. Ou mania. Ou sabe-se lá o que é isso. Não satisfeito em percebê-lo, quis chegar à raiz do problema para saná-lo em definitivo. ¬¬

Em um momento de muita concentração no banheiro (?), percebi que a minha mania de consertar os tubos de pasta de dente na pia tem uma raiz artística. Ou pelo menos acho que posso chamar assim. Explico: sabe quando o tubo do creme dental está espremido no meio? A marca do apertão dos dedos está da metade pra cima? Então. Uma vez, há uns 10 anos, eu li uma declaração do ator Tony Tornado dizendo que quando ele vai em uma casa e vê o tubo está deste jeito, é sinal de que algo muito ruim estaria acontecendo em breve. No alto dos meus 10 anos de idade, eu senti um frio na barriga imediato. Desde então, sempre arrumo os tubos de forma que a parte espremida seja sempre a parte de baixo.
Alguns minutos olhando aquele Colgate tão belo, pensando comigo mesmo se eu precisava consertá-lo para sempre para viver em paz me fizeram refletir. Sim, eu preciso. Nunca, repito, nunca, eu vou contradizer algo que Tony Tornado disse. Pense nisso você também. E conserte o tubo.
PS: Já vieram me falar que "ajeitar a pasta" é o certo e que todo mundo deveria fazer. Ou seja, inconscientemente eu faço uma coisa correta, por um motivo obscuro. Sinistro.

domingo, 6 de abril de 2008

Sem mais, as 100 mais.

A revista MONET que está nas bancas este mês chamou mais de 100 pessoas "especialistas" para eleger as 100 melhores séries de TV de todos os tempos. Muita coisa boa, e muita coisa que a presença só é explicada devido à politicagem. Explico: entre os jurados, Dennis Carvalho, Fernanda Young, Ney Latorraca, Luciano Huck, Gabriela Duarte, Pedro Bial, vários globais...isso explica a aparição de séries como Carga Pesada e Armação Ilimitada nas 100+. Algumas ausências são notadas, mas, pra mim, tá boa. Dá só uma olhada.

1 - Seinfeld
2 - Lost
3 - Twin Peaks
4 - Friends
5 - Família Soprano
6 - Sex and the City
7 - 24 Horas
8 - House
9 - Os Simpsons
10 - Agente 86
11 - Armação Ilimitada
12 - Perdidos no Espaço
13 - Arquivo X
14 - A Feiticeira
15 - Jornada nas Estrelas
16 - Batman
17 - CSI - Investigação Criminal
18 - A Sete Palmos
19 - Jeannie É um Gênio
20 - As Panteras
21 - MASH
22 - I Love Lucy
23 - Heroes
24 - Anos Incríveis
25 - Além da Imaginação
26 - South Park
27 - O Túnel do Tempo
28 - Plantão Médico
29 - Columbo
30 - A Gata e o Rato
31 - The Office
32 - The West Wing - Nos Bastidores do Poder
33 - Weeds
34 - Um Amor de Família
35 - Segura a Onda
36 - Os Normais
37 - Roma
38 - Absolutely Fabulous
39 - Profissão: Perigo
40 - A Grande Família
41 - Terra de Gigantes
42 - O Homem de Seis Milhões de Dólares
43 - Desperate housewives
44 - Mary Tyler Moore
45 - 30 Rock
46 - National Kid
47 - CHiPs
48 - Uma Família de Outro Mundo
49 - Dois Homens e Meio
50 - Beavis and Butt-Head
51 - Prision Break
52 - Grey´s Anatomy
53 - Gilmore Girls - Tal Mãe, Tal Filha
54 - Suspense
55 - Miami Vice
56 - O Agente UNCLE
57 - A Ilha da Fantasia
58 - Nip/Tuck - Ninguém é Perfeito
59 - Barrados no Baile
60 - Os Intocáveis
61 - Law & Order - SVU
62 - Ugly Betty
63 - CSI: Miami
64 - Law & Order
65 - Kojak
66 - Missão: Impossível
67 - The Office
68 - Monk
69 - Inspetor Maigret
70 - TV Pirata
71 - That´70s Show
72 - Os Monkees
73 - Monthy Python´s Flying Circus
74 - Carga Pesada
75 - Bonanza
76 - Will & Grace
77 - Magnum
78 - Tudo em Família
79 - Dawson´s Creek
80 - Kung Fu
81 - CSI: NY
82 - As Aventuras de Rin Tin Tin
83 - A Família Trapo
84 - Sanford and Son
85 - Cilada
86 - Vigilante Rodoviário
87 - The 4400
88 - Anjos da Lei
89 - Caindo na Real
90 - Família Addams
91 - Futurama
92 - Havaí 5-0
93 - James West
94 - My Name is Earl
95 - Scrubs96 - S.W.A.T.
97 - Nanny
98 - O Bem Amado
99 - Esquadrão Classe A
100 - Casal 20

sexta-feira, 4 de abril de 2008

TV: novosídolos e Ídolos

Na próxima quarta-feira (se nada mudar), o SBT estréia a sua versão genérica do Ídolos. Bem genérica, por sinal. Depois de uma batalha com a Rede Record na luta pelos direitos autorais do programa junto à Fremantle Media, Silvio Santos se deu mal e apelou para uma versão tabajara do reality show que na teoria deveria ter dado o status de ídolos a Leandro Lopes e Thaeme Mariôto, respectivamente vencedores da 1ª e 2ª edições do programa.

Com mais êxito comercial - sempre com bons patrocinadores - do que de audiência em si, o SBT demorou a demonstrar interesse junto à produtora para uma terceira temporada do programa. A Record, de olho no potencial de faturamento do reality, deu o seu lance e acabou levando a melhor.

Para não desperdiçar uma equipe já pronta e bater de frente com a Record, a emissora da Anhanguera coloca no ar na próxima semana um verdadeiro show de calouros batizado de "novosídolos". Assim mesmo, tudo junto e em caixa baixa. Pelas chamadas e de acordo com o anunciado em uma coletiva de imprensa no último dia 1º de abril, o programa vai mudar o foco principal. Sai de cena a busca pelo "novo ídolo" do Brasil e um espetáculo de figuras bizarras assumem o controle. A busca pelo humor, elemento que garante a audiência dos primeiros episódios que mostram as audições, é a fórmula que o SBT aposta para o sucesso do programa.

Desta vez, não vai haver só um vencedor, muito menos um contrato com uma gravadora para lançamento de um cd. O campeão mensal do programa vai levar um carro pra casa. Ao contrário das edições anteriores de Ídolos, "novosídolos" fica permanente na grade, sem definição de temporada. Além disso, não somente cantores solo poderão mostrar o seu...talento. Bandas, duplas e instrumentistas também poderão marcar presença.



Em contrapartida, a Record já anuncia o seu "Ídolos", o original. Porém, a estratégia de divulgação não faz referência em nenhum momento às duas edições anteriores exibidas pela concorrente. No lugar de Lígia Mendes e Beto Marden, Rodrigo Faro, ex-Globo, assume o comando do programa. Já o corpo de jurados, uma das principais peças do programa, ainda não foi definido.

Na apresentação do programa, a Record já garantiu apoio ao "ídolo" que for lançado lá. Ao contrário do SBT, que não deu apoio aos dois vencedores, a Record garante investimentos na divulgação do vencedor e quer realmente alçá-lo ao status de estrela, comparados aos American Idols e Latin American Idols. Os revelados pelo SBT seguem na batalha e usam a exposição do programa para tentar firmar uma carreira. Leandro, desde o Carnaval, assumiu o Rapazolla e já começa a fazer seus shows. Pelo que se fala, é a primeira vez que ele tem um empresário de verdade e uma equipe que cuida da carreira. Antes, como ídolo, foi largado ao relento.

Thaeme continua galgando sua carreira pouco a pouco. Ainda não teve clipe, não fez um show oficial de lançamento do cd, e conta somente com o apoio incondicional dos fãs para conseguir o destaque que tanto merece. Mais uma vez a gravadora Sony BMG só se deu o trabalho de lançar o cd no mercado, sem nenhuma divulgação.

Resta esperar para ver quem sairá vitorioso do Ídolos Record, e se o destino musical deste vai ter mais sorte.